Priscilla Stevaux é top 3 na Copa da França 2018 de BMX

Priscilla Stevaux é top 3 na Copa da França 2018 de BMX

A sorocabana Priscilla Stevaux iniciou neste fim de semana sua temporada de provas europeias, entre março e maio. Nas etapas 1 e 2 da Copa do Mundo UCI BMX Supercross, em Saint-Quentin-en-Yvelines (FRA), Priscilla concluiu ambas disputas chegando às quartas de finais, com o 22º e o 27º lugares, respectivamente. Já nesta segunda-feira (2), foi a vez da ciclista participar da Copa da França de BMX, na mesma pista francesa, onde conquistou um lugar no pódio, com a terceira colocação.

O top 3 da Copa da França em Saint-Quentin-en-Yvelines contou ainda com a vencedora Manon Valentino e a vice-campeã, Marion Torres. “Tanto nas classificatórias, quanto nas quartas de final, passei em primeiro. Em seguida, nas semifinais, fui a segunda colocada, atrás apenas da melhor atleta francesa inscrita na corrida e que foi campeã, Manon Valentino”, destacou Priscilla Stevaux.

“Na final, larguei bem e tentei sair em primeiro. Porém, pelo forte vento perdi velocidade e acabei iniciando em segundo a disputa decisiva. Na última reta não consegui segurar a segunda colocação. Minha perna travou em um determinado momento e definimos na linha de chegada a colocação final, a Marion Torres e eu”, disse Priscilla. “O ritmo foi forte demais, nunca havia competido três dias seguidos como foi agora”, finalizou.

Já na Copa do Mundo de BMX, com a sexta colocação na bateria 4 das quartas de final da abertura do torneio, e o sétimo lugar na bateria 3 das quartas do dia seguinte, Priscilla somou 65 pontos no ranking do evento e ocupa agora a 25ª posição na classificação anual. A liderança é de Laura Smulders (HOL), com 300 pontos após vencer as duas corridas na França, seguida de Saya Sakakibara (AUS) e Elke Vanhoof (BEL), com 245 e 205 pontos, respectivamente.

“Acabei tendo um pouco de azar nas duas corridas da World Cup. Sabia que o nível estaria altíssimo nas corridas iniciais do ano. No primeiro dia tive um vacilo e acabei abrindo demais uma curva e não consegui garantir o top 4, quando eu era a terceira colocada, para assim me classificar para as semifinais. Na etapa 2, optei por largar no meio na bateria das quartas e na descida do gate de largada disputei braço a braço com a holandesa Ruby Huisman. Infelizmente acabamos nos acidentando, porque as duas estavam no limite”, destacou.

COMPARTILHE

Comente