Estudos comprovam que o ciclismo não vai matar sua ereção

Estudos comprovam que o ciclismo não vai matar sua ereção

Quer uma vida sexual melhor sem recorrer a suplementos incompletos e enviados por e-mail? Coloque seu traseiro em uma bicicleta quatro ou mais dias por semana.

Isso é certo: uma bicicleta. Ao contrário de uma desinformação teimosamente persistente, o ciclismo pode efetivamente beneficiar a função erétil, e os ciclistas obtêm melhores resultados no laboratório do que aqueles que pedalam menos frequentemente, de acordo com o maior estudo sobre o tema até o momento.

O estudo multinacional, publicado no ano passado no Journal of Urology, comparou a função urinária e erétil de 2.774 ciclistas, 539 nadadores e 789 corredores. Os participantes foram avaliados ​​sobre saúde sexual, sintomas de próstata, infecções do trato urinário e dormência genital. Os ciclistas também responderam a perguntas sobre a frequência e distância que eles pedalaram, quais bicicletas eles usaram, onde eles pedalaram e uma série de outras variáveis.

Quando todos os dados foram analisados, os ciclistas não tiveram mais problemas urinários ou de saúde sexual do que os nadadores ou corredores. Eles tinham cerca de duas vezes a incidência de estenoses uretrais – cicatrização ou estreitamento na uretra – mas não era comum e não parecia afetar a saúde urinária.

Estes resultados refletem em um estudo de 2014 em mais de 5.282 ciclistas homens, que não encontrou conexão entre ciclismo e disfunção erétil ou infertilidade, independentemente de quantos km ou horas tenham sobre a bicicleta. Isso incluiu ciclistas que pedalam mais de 300km por semana.

Isso não quer dizer que você não deve tomar medidas para proteger as suas partes. Por isso use boas roupas para pedalar, isso inclui bermudas e bretelles confortáveis e que tenham bons forros de proteção, além disso um selim que não te machuque é essencial!

Crédito foto: Shutterstock

COMPARTILHE

Comente