Mikel Landa diz que 2018 será o ano dos seus objetivos no ciclismo profissional

Mikel Landa diz que 2018 será o ano dos seus objetivos no ciclismo profissional

A Movistar ainda não confirmou o calendário de corrida completo, mas Mikel Landa listou o Tour de France e a Volta a Espanha entre seus objetivos em 2018 e disse que chegou o momento de perseguir seus próprios objetivos.

Landa deixou o Team Sky para se juntar a Nairo Quintana e Alejandro Valverde na Movistar para 2018, e continua a ser visto como eles irão encurralar seus interesses no decorrer da temporada, particularmente no Tour, onde os três pilotos poderiam estar em entre os oito da Movistar.

Depois de sacrificar suas próprias chances nos Grand Tours para os seus líderes durante suas temporadas em Astana e Team Sky, Mikel Landa, de 28 anos, está ansioso para aproveitar todas as oportunidades que surjam em seu novo time.

“Aquele tempo está atrás de mim”, disse Landa. “Eles me impediram em Astana e Sky quando eu tinha as pernas para ganhar. Se eles me disserem para parar de novo, não vou. Eu tenho que perseguir meus objetivos.”

Landa insistiu, no entanto, que não haveria problemas de convivência com os líderes estabelecidos Quintana e Valverde. Quintana está programado para atacar o Tour em, enquanto Valverde volta à ação depois de quebrar sua rótula no dia de abertura do Tour em Düsseldorf.

“É talvez mais relaxado com Alejandro, que é uma pessoa muito alegre”, disse Landa sobre seu relacionamento com seus co-líderes. “Eu entendo que Nairo está enfatizando seu status como líder: ele quer suas oportunidades, como eu quero as minhas.

Landa confirmou que ele começará sua temporada na Volta a Andalucia em fevereiro e expressou a preferência de retornar ao Tour de France depois de perder um ponto no pódio em 2017. Depois de treinar fortemente ao serviço de Chris Froome, Landa terminou em 4º lugar, apenas um segundo do terceiro colocado Romain Bardet (AG2R La Mondiale).

“Em princípio, vou participar do Tour e da Volta. Eu coletei anos de experiência e acredito que ganhei o direito de ir aos Grand Tours com liberdade para me movimentar “, disse Landa.

“Com o tempo, dói mais. É por isso que eu quero andar sozinho, então não terei nada para me censurar. Fui bloqueado nessas três semanas ao serviço de Froome. Eu sabia que seria assim, mas eu ainda teria apreciado muito mais se eles tivessem jogado com minhas cartas para que nós dois tivéssemos terminado no pódio em Paris”.

Crédito foto: Divulgação Team Movistar

COMPARTILHE

Comente