Raciocínio e trabalho de equipe: lições de outros esportes que podem ajudar o ciclista

Raciocínio e trabalho de equipe: lições de outros esportes que podem ajudar o ciclista

Não se vence uma etapa do Tour de France ou um campeonato regional sem uma estratégia trabalhada em prol do melhor ciclista da equipe. Assim como na maioria dos esportes, para um ciclista ser bem-sucedido ele precisa de entender o lado estratégico da modalidade, saber o conceito de trabalho de equipe e aliar o entendimento do que está acontecendo com o vigor físico. E para além das nuances do ciclismo, aproveitar lições técnicas e mentais de outros esportes podem ajudar o ciclista.

Focus Cayo Ultegra

Pensar fora da caixa e explorar lições em outros esportes é algo que os britânicos estão se aprimorando. “Não importa a habilidade, sempre há coisas que podemos aprimorar de outras modalidades para melhorarmos”, diz James Millard, estrategista e diretor de performance no ciclismo.

Para aproveitar os ensinamentos e características de outros esportes, separamos uma lista de três modalidades diferentes que fazem um paralelo com o ciclismo e que podem ser úteis na pista ou estrada.

Basquete“Você ganha como um time ou perde como um time” é uma das maiores máximas desse esporte e que também pode ser aplicado no ciclismo em equipe. O basquete é uma modalidade em que o trabalho de equipe está enraizado como um dos principais componentes para um time vencedor.

“Talento ganha jogo, mas trabalho em equipe e inteligência ganha título”, disse uma vez o lendário jogador Michael Jordan.

Há algumas metáforas que se encaixam muito bem com o ciclismo. No basquete, é preciso fazer o bloqueio para o melhor jogador do time na maior parte do tempo. Há jogadores que ficam em quadra para abrir espaço e propiciar o melhor arremesso para a estrela. O mesmo acontece no ciclismo com o gregário e o sprinter.

“Trabalho em equipe é perfeito para explorar o máximo de sua capacidade”, afirma o ciclista Iljo Keisse.

Associar o basquete com outro esporte não é algo novo. A seleção alemã de futebol já foi adepta a treinar o basquete como um método para melhorar o trabalho de equipe e a integração entre os jogadores.

Poker — Diferente do basquete, que trabalha o jogo coletivo como um dos pilares, o poker é um esporte da mente fácil de aprender que exige do jogador muita concentração e planejamento nas decisões.

Assim como no ciclismo, algumas vezes a estratégia não sai como o esperado para o jogador de poker. Saber improvisar é vital nesse esporte, assim como agir em momentos de pressão em ações que podem decidir o destino de uma etapa.

Além disso, praticar poker é proveitoso para uma série de benefícios para a mente, como aumento de concentração e raciocínio — dois fatores fundamentais no ciclismo.

Dessa maneira, entender o poker e praticá-lo pode ser útil para os ciclistas em momentos de improviso ou decisão rápida.

Automobilismo — O poker e o basquete são dois esportes acessíveis que podem ser praticados pela maioria, o que não acontece com o automobilismo, que é muito mais restrito para a população geral. Mas não é preciso entrar em um carro de corrida ou fazer parte de uma equipe para entender os conceitos dessa modalidade e aplica-los ao ciclismo.

Nas corridas, o trabalho em equipe na maioria das vezes é fundamental para a vitória do piloto, mesmo em times de apenas duas pessoas. Saber o momento certo de atacar, salvar combustível (no caso do ciclismo, energia) e conhecer a pista na palma da mão também são similaridades que podem ser aplicadas na bicicleta.

“Você só consegue vencer com um trabalho enorme da equipe. Eles te guiam, você é só o eixo final da linha”, disse uma vez Kiki Rosberg, que tem um título da Fórmula 1. Mesma mentalidade que não deixa de aplicar no ciclismo. É o que diz o português João Mata: “Sem o staff que prepara tudo, não tem como você entrar na estrada e fazer um bom trabalho. Eles são tão importantes como a gente”.

Foto: iStock

COMPARTILHE

Comente