Top 5 bikes de estrada 2018 já estão nas pistas

Top 5 bikes de estrada 2018 já estão nas pistas

O Criterium du Dauphine é um prato cheio antes do esperado Tour de France. O campeão desse ano, Jakob Fuglsang (Astana) juntou-se a uma lista ilustre que também tem Chris Froome, Bradley Wiggins, Alejandro Valverde, Miguel Indurain, Greg LeMond, Bernard Hinault, Eddy Merckx e Jacques Anquetil entre outros lendários vencedores.

Essa prova também é uma oportunidade de testar novas máquinas que irão brilhar também no Tour de France e aqui estão algumas delas:

Specialized Tarmac SL6

A nova Specialized Tarmac é bem diferente do modelo anterior, tanto que não foi identificada logo de cara. Essa bicicleta fica no meio termo na Tarmac antiga e a Venge. A expectativa é que essa seja mais rígida, maior estabilidade juntamente com os pneus e melhor frenagem.

Dan Martin (Quick-Step Floors) já conquistou o pódio usando essa nova bike e Emanuel Buchmann (Bora-Hansgrohe) também teve bons resultados com ela.

Trek Emonda SLR

Ao contrário da Tarmac, essa nova Trek Emonda SLR é bem parecida com o modelo anterior. A especulação é que o quadro possa ter outras tecnologias e componentes, assim como a versão de freios a disco. É provável que a Trek tenha mantido a mesma geometria dos quadros da BMC para a diferença não ser tão sentida por Alberto Contador caso precise substituir a bicicleta durante uma prova.

Merida Reacto 3

Sonny Colbrelli (Bahrain-Merida) usou a bicicleta mais bonita da prova. Apesar dos adesivos escondendo os detalhes, dava para notar características bem marcantes do novo quadro. A Merida registrou quatro novos quadros para aprovação da UCI, em fevereiro, duas versões de freios de aro e outras duas de freio a disco.

Lapierre Aircode 2

O Aircode é o modelo aerodinâmico da Lapierre que Thibaut Pinot usou no Giro d’Italia dessa temporada. Além de ser leve, a nova Aircode parece ser bem confortável, com quadro reforçado característico das bicicletas de resistência.

BMC Teammachine SLR

A nova Teammachine SLR01 mantém a mesma geometria de corrida do que sua antecessora, mas com nova tecnologia, resultando em mais rigidez e conforto. Manter as características de design iguais ao modelo anterior foi proposital da marca, para os ciclistas não sentirem diferença se precisarem substituir as máquinas durante a prova.

Além dos lançamentos citados, é bem provável que veremos um punhado de outras bicicletas (e componentes) novos no Tour de France no mês que vem. Aguardem as próximas semanas!

COMPARTILHE

Comente