Com ataques hackers, dados dos ciclistas Froome e Wiggins vazaram da WADA

Com ataques hackers, dados dos ciclistas Froome e Wiggins vazaram da WADA

A Agência Mundial Anti-Doping (WADA) confirmou o vazamento de seus banco de dados devido a ataques de hackers, foram dois ataques em poucos dias.

Dois dias depois a WADA confirmou um segundo vazamento com dados das atletas norte-americanas Serena Williams, Simone Biles e também incluía detalhes de Chris Froome, Bradley Wiggins e outros três atletas britânicos.

Nos registros médicos que vazaram estão principalmente relacionados a “isenções para uso terapêutico” concedidas a certos atletas. Registros mostram que Bradley Wiggins foi autorizado a tomar duas substâncias, incluindo durante o Tour de France de 2011 e do giro d’Italia em 2013. Uma das substâncias era Triancinolona acetonida (é um corticosteroide sintético que possui ação anti-inflamatória atuando no alívio temporário de sintomas associados com lesões inflamatórias orais e lesões ulcerativas resultantes de trauma) alegando que era devido a uma alergia.

Os documentos da WADA sobre Chris Froome mostram que o atleta recebeu uma concessão para tomar Prednisolona Corticosteróide. (é um fármaco pertencente ao grupo dos antiinflamatórios esteróides. A Prednisolona é um metabólito ativo da prednisona, logo, é um pró-fármaco que é metabolizado pelo fígado convertendo-se à forma esteroidal ativa. É indicado no tratamento de doenças que envolvamdor e inflamação.)

Chris Froome teria usado tal medicamento para tratar BEI = broncoespasmo induzido por exercício, também conhecida como asma induzida por exercício. Segundo os documentos, Froome teria tomado em 2013 no Tour de Dauphine e 2014 no Tour de Romandie, nas duas ele foi campeão na classificação geral.

(é uma das formas mais conhecidas de broncoespasmo. Consiste na apresentação do broncoespasmo quando se realiza uma atividade física moderada ou intensa, causando uma redução do volume respiratório e, portanto, diminuição da capacidade de resistência.

Pode estar relacionado com o fato de se respirar ar mais frio e seco que o ar que está dentro dos pulmões. Isso se deve a que com a atividade física aumenta a demanda por oxigênio e se produz um aumento do volume inspiratório assim como da frequência respiratória. Ambas situações diminuem o efeito umidificador e calentador da mucosa nasal sobre o ar inspirado. O BIE é mais frequente em algumas épocas do ano, quando a pessoa padece de asma crônica, ou quando as pessoas tendem a ter problemas relacionados com alergias.)

O diretor-geral da WADA, Olivier Niggli descreveu o vazamento como um “ataque criminoso”. Ele lamentou que hackers tenham tentado denegrir a reputação dos atletas afetados.

 

COMPARTILHE

Comente