Atleta de MTB Abraão Azevedo e sua opinião sobre o trânsito no DF

Atleta de MTB Abraão Azevedo e sua opinião sobre o trânsito no DF

O pessoal do Correio Braziliense fez uma matéria bem legal, acompanhando o atleta de MTB Abraão Azevedo em um dia de treino, e mostra como é sua vida dividindo espaço com os veículos durante seu trabalho!

Quem se arrisca a deixar o carro na garagem para usar uma bicicleta, apesar de evitar a poluição e desafogar o trânsito, não costuma contar com a compreensão dos motoristas do DF. Pior do que isso, são obrigados a conviver com a pressa e a agressividade de quem disputa espaço, sem considerar que se trata de um veículo desprotegido e até 130 vezes mais leve. Embora seja uma cidade propícia para pedalar, por ser plana e asfaltada, a parca e mal planejada malha cicloviária da capital é outro elemento que prejudica os que buscam alternativa aos automóveis. Nessa semana, o Correio acompanhou o treinamento de Abraão Azevedo, um dos maiores especialistas em mountain bike do mundo, e flagrou o desrespeito e as dificuldades nas vias de Brasília (leia Memória).

Apesar de ser multicampeão nas competições em trilhas e nas estradas de chão batido, metade do treinamento de Abraão ocorre no asfalto. Percorrendo as pistas do DF há mais de 25 anos, os problemas com os carros nunca passaram do susto de quase se acidentar. Muitos amigos dele, no entanto, não tiveram a mesma sorte. E ele não precisa ir longe para lembrar atropelamentos de colegas. Há menos de um mês, ao treinar com um grupo, um condutor ignorou a presença das bikes e virou à direita sem dar sinal. Acertou um ciclista e sequer prestou socorro: continuou no carro com as janelas fechadas e o ar-condicionado ligado.

Os índices melhoraram nos últimos anos, mas ainda são de deixar receoso quem pensa em trocar o carro pela bicicleta: praticamente dois ciclistas morrem por mês no trânsito da capital federal. No treino de 30km em que a reportagem acompanhou Abraão e um amigo, o comerciante Christian Montalvão, as situações de risco assustaram o experiente atleta. Os percalços são recorrentes até no trajeto considerado mais seguro de todo o DF: no Lago Sul, saindo da QI 23, passando pela pista principal do bairro e seguindo no sentido Altiplano Leste, de volta para a 23.

No primeiro quilômetro, um coletivo invade a ciclofaixa para cortar caminho na curva. Em seguida, a pista exclusiva para os ciclistas acaba repentinamente e dá lugar a uma parada de ônibus. Enquanto pedala, Abraão tem de soltar uma das mãos do guidão para sinalizar que entrará na pista a fim de ultrapassar o ônibus que embarca e desembarca passageiros à frente. Os carros obedecem e diminuem a velocidade, mas não escondem a insatisfação. “Não somos reconhecidos nem respeitados como um veículo que faz parte do trânsito. Muitos motoristas se aproximam, encostam na gente para ganhar espaço como se fosse normal”, relata Abraão.

Estratégia

Após descer a Estrada Parque Dom Bosco, na altura da QI 23, a dupla chega à via principal do Lago Sul, onde a ciclovia não ajuda. A via reservada para os veículos sem motor é interrompida a cada quilômetro, seja pelas paradas de ônibus, seja pelas entradas das quadras, seja pelas pontes internas no bairro. Para seguir o caminho, em diversos momentos, é inevitável dividir a pista com os carros, o que torna o percurso ainda mais perigoso. “Sem falar dos buracos na rua. Isso é um remendo, apenas pintaram o acostamento e deram outro nome”, reclama Christian.

Em um cruzamento, o sinal fecha, e os ciclistas não têm lugar para seguir. A ciclofaixa, naquele trecho, torna-se uma parada de ônibus. Nas outras duas vias, um carro e um caminhão impedem a passagem. O jeito é parar e esperar. Na sequência, os ciclistas pegam a DF-001, na subida dos condomínios do Lago Sul, rumo ao Altiplano Leste. O risco aumenta. Ali, não há ciclofaixa, e a pista de apenas uma mão e sem acostamento torna inevitável o desrespeito à lei do trânsito de manter uma distância segura de 1,5m dos ciclistas.

Abraão e Christian, acostumados a pedalar lado a lado, mudam a estratégia e passam a andar um à frente do outro a fim de ocupar menos espaço. “Isso tudo aconteceu, não podemos esquecer, no lugar em que talvez seja o mais seguro para pedalar de Brasília”, lembrou Abraão, ao completar o percurso. No meio do caminho, eles encontraram alguns amigos que treinavam no mesmo trajeto. “Eles tinham vindo do Gama. Nas cidades mais afastadas, é muito pior”, lamenta o atleta.

Foto capa: MINERVINO JUNIOR/CB/D.A PRESS. BRASIL 

Matéria: http://blogs.correiobraziliense.com.br/

COMPARTILHE

Comente

  • Yo soy Yo

    Falta cuidado com o ciclista, andar pelo Lago Sul ainda é tranquilo, mas quando vc precisa circular em trechos sem ciclovias ou ciclofaixas fica muito complicado dividir a pista com os carros. Muitos esquecem que ao ultrapassar um ciclista, além da distância é necessário que diminua a velocidade, o vácuo que o carro produz pode puxar e derrubar uma ciclista!