Equipe Funvic e um 3º dia difícil na La Tropicale Amissa Bongo

Equipe Funvic e um 3º dia difícil na La Tropicale Amissa Bongo

A equipe brasileira Funvic Soul Cycles & Carrefour teve um dia difícil na terceira etapa da La Tropicale Amissa Bongo.

O terceiro dia de competição teve largada em Nambaréné, com os ciclistas seguindo em direção a Ndjole. Parte da prova aconteceu no mesmo trajeto do 1º dia. Com muitos buracos e um asfalto mais áspero, muitos atletas tiveram problema com os pneus.

Equipe Funvic e um 3 dia dificil na La Tropicale Amissa Bongo_

Na Funvic, o primeiro a precisar fazer uma troca foi Antonio Piedra. E depois foi um festival de trocas. Magno e Murilo também furaram em momentos críticos da prova. Pela segunda vez, Piedra furou já próximo do trecho de subida. E desta vez, os dois pneus.

Lá na ponta, um grupo com aproximadamente 15 ciclistas seguia a fundo. Entre eles, o brasileiro Flávio Santos, que até então tem sido o melhor da equipe na competição. Faltando cerca de 4 km para o final, Flávio também furou e perdeu a chance de brigar pelo pódio, terminando a prova na 20ª colocação.

Magno Nazaret, Antonio Piedra, Murilo Affonso e Francisco Chamorro, terminaram um pouco mais atrás.

Equipe Funvic e um terceiro dia dificil na La Tropicale Amissa Bongo

A vitória neste terceiro dia ficou com o francês Adrien Petit, da Direct Energie. Ele fechou os 130 km da etapa em 3h03min44. O também francês Benoit Jarrier (Fortuneo – Vital Concept) foi o segundo e o italiano Andrea Palini cruzou em terceiro lugar e manteve a camiseta amarela de líder desta edição 2016 da La Tropicale Amissa Bongo.

BAIXA NA FUNVIC

A Funvic acabou sofrendo uma baixa na terceira etapa. Kleber Ramos “Bozó”, que havia passado mal com problemas estomacais ao fim da etapa de abertura, acabou abandonando a competição. O ciclista sentiu o ritmo forte deste terceiro dia, pois ainda se recuperava dos problemas do início da prova.

QUEDA NA 2ª ETAPA

A segunda etapa da competição, realizada no dia 19 entre Fougamou e Mouila, com 105 km, também não foi muito boa para a equipe brasileira.

Francisco Chamorro que vinha no grupo da frente, acabou sofrendo uma queda nos últimos dois quilômetros da etapa e ficou fora da disputa no sprint, que foi vencida pelo italiano Andrea Palini.

Chamorro sofreu alguns arranhões e um corte no braço. Sua bicicleta quebrou em dois lugares. Apesar do susto, o ciclista está bem e segue na disputa.

VIAGEM NA SELVA AFRICANA E 4ª ETAPA

O terceiro dia no Gabão foi longo para todos. Depois de uma prova de pouco mais de 3 horas, que começou por volta das 8h30 da manhã, o pelotão e a caravana que acompanha a La Tropicale, precisou fazer uma viagem de ônibus de mais ou menos 5 horas.

Foram cinco horas passsando por dentro da floresta gabonesa, até chegar a cidade de Oyem, ponto de partida para a 4ª etapa. As equipes estrangeiras ainda tiveram mais uma hora de traslado até a cidade de Bitam, onde estão hospedadas.

Nesta quinta-feira (21), largará a quarta etapa, com 141 km. O start será dado em Oyem e de lá, os ciclistas seguem para Ambam, cidade já no país vizinho de Camarões. O percurso é relativamente plano.

Fotos: Luis Claudio Antunes/Bike76 – Fonte: bike76.portalr3.com.br

COMPARTILHE

Comente