Lucas Borba vai tentar bicampeonato na Copa América de Donwhill/4X

Lucas Borba vai tentar bicampeonato na Copa América de Donwhill/4X

O catarinense Lucas Borba (atleta Shimano) já está concentrado na temporada 2016, cujo início para ele será entre sexta-feira (8) e domingo (10). Nesta data, estará em disputa a Copa América de Donwhill/4X, no Ski Mountain Park, em São Roque, reunindo alguns dos principais nomes sul-americanos da modalidade. Campeão em 2014, Lucas vai em busca do segundo título e da premiação para o primeiro colocado (R$ 4.500).

“Vou com a intenção de ganhar, mas tem muitos nomes bons envolvidos, vários atletas favoritos, não dá pra prever nada. Grande parte dos confirmados já correu lá no ano passado: pilotos do Chile, do Equador, além dos brasileiros. Todos bem fortes”, diz Lucas.

A competição apresenta algumas diferenças em relação à maioria das provas de Downhill. O circuito, por exemplo, lembra o de BMX Supercross, pois exige força física e resistência dos competidores. As baterias, por sua vez, serão compostas por quatro competidores: todos largando ao mesmo tempo. A pista tem 700 metros de extensão, 14 obstáculos e 13 curvas.

“É bem diferente, o circuito é mais de bicicross. São necessárias muita força física e explosão para conseguir um bom resultado neste tipo de campeonato”, avalia o piloto de Ibirama (SC).

Segundo o ciclista do Shimano Sports Team, algo preponderante na luta pelo título é a sorte, fator presente em sua vitória em 2014, mas ausente em 2015, quando ele não conseguiu se classificar para a final.

“A largada também é um ponto fundamental neste tipo de corrida. Você precisa conseguir largar na frente dos outros, porque senão os quatro se embolam na primeira curva, aumentando o risco de acidentes. O cara pode ser o mais rápido de todos, e na hora da prova se enroscar com um oponente”, analisa. “A Copa América de Donwhill/4X é imprevisível, mas conto com equipamentos de alta qualidade que certamente farão a diferença. Minha bicicleta tem sistema de freios a disco com tecnologia de gerenciamento de calor, um diferencial graças à frenagem precisa e potente que oferece, apesar da utilização extrema dos freios nesse tipo de competição”, completa.

Foto capa: Rodrigo Philipps / Shimano

COMPARTILHE

Comente